OAB - Santos

OAB - Santos - Principal

INOVA: COMPROMETIMENTO DA SOCIEDADE EM PROL DO DESENVOLVIMENTO

27/08/2019 Voltar

Imprimir

Na última semana foi lançado o Movimento Inova - Região Metropolitana da Baixada Santista, ação que envolve políticos, empresários, lideranças da sociedade civil organizada, sindicatos, representantes de vários setores e instituições de ensino superior e técnico. O objetivo é buscar o desenvolvimento econômico da região e retomar a geração de empregos, com qualidade de vida.

Fábio Solito, diretor adjunto de Gestão, Debora Alves Camilo, vice-presidente da Comissão da Igualdade Racial, e Gabriel Miceli de Carvalho, diretor adjunto de Cidadania e Ação Social, representaram a Subseção Santos no evento.

O Inova pretende fazer o diagnóstico econômico das nove cidades da Baixada Santista (Santos, São Vicente, Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Bertioga, Peruíbe, Itanhaém e Mongaguá), porém, com perspectiva de soluções metropolitanas, ou seja, que favoreçam a população como um todo.

O levantamento, com início em novembro e término em março, terá participação de 80 pesquisadores das 23 instituições de ensino superior da região.

Sérgio Sérvulo da Cunha, coordenador geral do Fórum da Cidadania de Santos e presidente da Subseção gestão 1981-1982, acredita que o movimento vai resgatar o orgulho da Baixada Santista. "É a ocasião para que a cidadania seja exercida e sejam cobradas ações efetivas dos gestores públicos".

Fábio Solito destacou que atender, de forma efetiva, as demandas da Baixada, mesmo com as características de cada cidade, significa maior coesão e justiça social. "Estar atento a estas demandas será também função da OAB Santos e de muitas de suas comissões".

Desenvolvimento com qualidade de vida

Para Gabriel Miceli Carvalho, o Inova busca desenvolvimento econômico sim, mas não a qualquer preço. "O crescimento econômico tem que estar aliado à qualidade de vida da população".

Gabriel citou, ainda, as áreas-chaves que vão nortear o movimento: Turismo; Logística e Transportes; Siderurgia; Construção Civil e Mercado Imobiliário; Química, Petroquímica e Fertilizantes e Economia Criativa.